quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Os ciganos - parte 2


Quando se trata de comportamento, os ciganos são muito rígidos. Mas, na forma de viver, a palavra ordem é ser livre, nossa liberdade é a natureza, nela não existem muralhas para tirar nossa visão do campo aberto, podemos ter contato com o solo, respirar o verde, sentir a brisa do vento, receber a força dos raios solares, contemplar a Lua, o brilho das estrelas e tudo o mais que ela possa nos oferecer.
Como forma de manter seu povo unido, além do idioma, o ROMANI, os ciganos têm as suas próprias “leis”. Eles devem casar entre si. Até os casamentos entre parentes são aceitos (desde que não seja de sangue). Mas nesta questão, as mulheres são discriminadas. Elas só podem se casar com ciganos, enquanto que os homens podem escolher suas companheiras fora do seu povo.
A mulher é considerada o alicerce da família e sua responsabilidade aumenta mais quando tem um filho. Não ser mãe é um pecado quase que mortal para a mulher cigana.
Outra “lei” curiosa que se refere às mulheres é que elas podem descobrir os seios no meio das pessoas, mas jamais mostrar as pernas. Por isso, as saias são longas. A mulher cigana precisa estar sempre energizada, então anda descalça para ter maior contato com a terra e, assim, fortalecer o seu corpo.






A Natureza Dá Força

Os ciganos preservam e usam muito os quatro elementos fundamentais da natureza – Terra, Fogo, Água e Ar – nos seus rituais. Para eles, o Fogo é muito importante, porque queima a negatividade e ilumina a positividade. Um objeto que concentra os quatro elementos e que é muito usado por este povo é a vela. A Água e a Terra são representadas pela cera e o pavio. O Fogo é a chama e o Ar (oxigênio) a mantém viva (acesa).






O Dom da Vidência

Os ciganos acreditam que Belkarrana (deuses) os colocou no mundo para praticar o dom da adivinhação com a finalidade de ajudar seus semelhantes. Mas são as ciganas que mais exercem esse privilégio. Aos sete anos, elas aprendem a ler a sorte e depois de mais de sete anos seguidos, elas saem às ruas para atender as pessoas.
Além da Quiromancia (leitura das mãos), as ciganas podem exercitar a vidência através de vários objetos como pedras, moedas, borra de café, copo d’água, bola de cristal, jogos de carta e Tarô. As ciganas transmitem energia pelo olhar e recebem a mensagem das pessoas pelo olho místico, que se encontra localizado no meio da testa e na palma da mão. Esse dom da adivinhação não é usado somente para prever o futuro, como também para detectar algum problema de saúde. Para manter esse dom, a mulher cigana não deve nunca cortas os cabelos porque,ao faze-lo, terá sua força energética diminuída.


Casamento E Noivado

Para os ciganos, os acontecimentos mais importantes são o nascimento, o casamento e a morte. Depois de acertado o noivado, os noivos trocam objetos, que podem ser um punhal ou uma moeda de ouro, que serão guardados até o dia do casamento.
A noiva envolve o seu presente num lenço de seda vermelho, que alguns dias antes da cerimônia do noivado fica amarrado a uma garrafa de vinho. A família do rapaz é responsável pelo pagamento da noiva, de um vestido branco e outro vermelho para o ritual do casamento, do enxoval e de toda festa. Durante a comemoração, a família da noiva não tem obrigação de ajudar, nem de servir a mesa. E no período, os dois têm que se evitar, só se comunicando por recados enviados por amigos ou parentes.
A festa de noivado dura de dois a seis dias. As mulheres usam os seus melhores vestidos e jóias. A noiva se veste de branco, e o ponto alto da festa é o ritual dos punhais que é feito com um corte no pulso dos dois. Nesse instante, os pulsos são unidos, simbolizando a união numa só vida. Em seguida, os pulsos dos noivos são amarados por um lenço vermelho, que é guardado junto com os punhais e substituem as alianças.
Já no casamento são usados os mesmos símbolos do noivado: os dois punhais, o lenço vermelho, vinho, pão, sal e uma taça de cristal. O vinho é para garantir a alegria permanente do casal, o pão e o sal representam a união, a taça de cristal é para que a harmonia se mantenha presente e o punhal serve para a comunhão do sangue.






A DANÇA CIGANA - UM ATO MÁGICO

“No acampamento tudo é agitação... os homens montam a fogueira, preparam o vinho e afinam seus violinos e acordeons. As mulheres enfeitam as mesas, carroções, preparam suas roupas, pandeiros, fitas, lenços... No ar, o delicioso aroma de suas receitas especiais espalha por todo lado o cheiro de festa. A noite será longa... os ciganos se reúnem mais uma vez, para comemorar... a vida!!!"
Quem nunca viu essa cena em sua mente? Poderia ser uma lembrança de um filme talvez, ou quem sabe, a saudade de um lugar, de um povo...Saudades deixadas há muito, no tempo e no espaço...
A tradição cigana é cheia de mistérios e um dos mais facilmente reconhecido é o mistério da dança, que junto com a música desse povo...Enfeitiça...
A dança para os ciganos é uma forma de liberar as emoções interiores, de dar vazão aos sentimentos e intimas necessidades através de movimentos corporais. Ou porque esta feliz e quer festejar, brincar e se divertir, ou porque esta querendo agradar e agradecer aos deuses.
Os ciganos têm na dança uma de suas mais várias e exuberantes formas de expressão, tirando dos passos, dos volteios do corpo, do rodar, do meneio de suas cabeças e mãos, uma alegria contagiante e uma vivacidade talvez única.
O bater das castanholas, do som das palmas que espantam a negatividade. Este é o verdadeiro dançar da alma.
O homem quando dança com as mulheres apenas reforça, com a sua presença as figuras femininas, pois é uma proteção para elas.
Os ciganos dançam nas festas, a dança é livre, sem regras. Cada um se diverte como quer, nunca se esquecendo o recato, os limites entre homens e mulheres.
Brincos e pulseiras a tilintar, saias coloridas e pés descalços a rodopiar, mão em volteios estonteantes como o brilho nos olhos da cigana...Cena que contagia a todos, e nesse momento, a magia é tão presente que tudo parece parar para reverenciar a vida que pulsa forte em cada acorde de música...Não há tempo nem espaço, há apenas, à vontade de dançar... É a alegria do reencontro.
A força, a espontaneidade e a alegria, aquela capacidade única dos ciganos de transformar as adversidades da vida numa energia profunda, numa experiência autêntica e libertadora reequilibrando as forças numa consciência interior mais forte e cúmplice é tão só expressada numa dança…
Os ciganos são um povo alegre, cheio de energia e grande dose de passionalidade. A dança e a música fazem parte de suas almas, praticamente “nascem” com cada indivíduo e correm em suas veias como seu sangue. Aprendem a tocar os instrumentos desde criança com os mais velhos e nunca dançam por obrigação, mas pelo puro prazer.
Os movimentos observados na dança cigana são resultantes da sua influência indiana, onde o girar das mãos, a inclinação da cabeça e a postura ereta chamam atenção.
Os movimentos são baseados da cintura para cima, meneios de ombros, inclinação da cabeça, giro de punhos e mãos, postura ereta, braços à frente do corpo ou acima da cabeça e movimentos que completem sempre círculos (para os ciganos a vida é um ciclo).
A dança como forma de oração por si só, se basta. É importante dizer que como trabalhamos o tempo todo com as energias da natureza e a nossa própria, devemos respeitar seus significados e ter responsabilidade com que o que pedimos e queremos representar, pois a dança cigana é um ritual, assim seus pedidos podem ser atendidos, e que assim seja!

A alma cigana perfuma o lugar por onde passa.

Dizem o antigos, que os ciganos dançam para atingir o êxtase do fluido energético que os levam de encontro com a verdadeira essência da Deusa e do Deus interior e superior.
Por isso, dificilmente, os ciganos fazem coreografias; dançam soltos e livres, colocando em cada movimento suas emoções.
A graça está em cada pessoa ouvir a voz do seu coração e permitir que se conduza levemente, tranqüilamente, pois só dessa maneira, consegue sentir sua alma.
A dança é a magia, e a alegria de nosso povo, o mistério através dos passos e movimentos que saúdam, invocam e fazem Fluir a mais bela e elevada vibração energética!

A dança cigana caracteriza a ligação e a comunhão do Homem com o Divino. Expressam os sentimentos mais profundos para com os seus e para com o mundo considerado sagrado. Dentre os ritos de maior importância, temos: Culto aos Antepassados, Slavas, Casamentos, batizados e outros. É importante sabermos que pela intimidade em que se caracteriza o Culto aos Antepassados, essa categoria não é levada à cena a não ser de forma estritamente estilizada, assim como alguns outros estilos pertencentes a essa categoria. Sendo interpretadas com autenticidade somente nos lares ciganos, em festas consideradas íntimas.
Para o cigano, os movimentos de braços e de mãos descrevem os sentimentos mais profundos em relação a cada tema executado. Conforme o sentimento a ser passado pela dança interpretada, as mãos e os braços desenham coreograficamente símbolos que traduzem cada emoção implícita no estilo, executado. Como por exemplo: a rotação de mãos para fora traduzem a doação da energia interior transmitida à terra, a outrem e ao cosmo. Quando a rotação é realizada para dentro, traduzem o recebimento ou à busca da energia vinda da terra, de outrem ou do mundo divino. Os movimentos circulares traduzem em sua maioria, as energias ou sentimentos em movimento, em ação contínua. Os movimentos mais retos simbolizam em sua maioria, as ações diretas ou finalizadas.



(por Gallugh para o site paganismo.org)

Nenhum comentário: