quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Alma Nua


Sentimentos misturados
turvam-me a visão
Ouço vozes que não são minhas.
Risos que não são meus...
Renuncio a mim mesma,
Já não sei quem fui,
quem serei...
E nem me importa.
Estrangeira em minha própria
terra, ando em silêncio...
Por trilhas que me levam
a lugar algum
Sigo...
Sem deixar vestígios...
Contorno os rabiscos
desenhados pelas ondas
que lambem a areia...
E caminho desenhando,
aleatoriamente
figuras desconexas...
Assim...
Assim livre...
Assim, sem compromisso,
Assim, sem pressa...
Assim, sem volta,
Pés descalços...
Alma nua...


(Gloria Salles para sitedepoesias.com.br)

2 comentários:

Livia Luzete disse...

Gostei!
Bjkas e boa semana!

Hic Sunt Dracones disse...

blog bacana.. vo acompanhar

Venha.. desevenda-me ou te devoro.