segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Ondas dentro de mim...


Amei , com a delicadeza de quem segura nas mãos

uma bolha de sabão

com o cuidado de quem tece fios de seda,

acalentei a própria vida

Esperei, como quem contempla o sol

após a chuva torrencial

Desejei, como quem almeja a paz

depois que o estrondo jaz

Não contemplo águas paradas

persigo o movimento que há nas estradas

Hoje, não é o fim

encontro ondas dentro de mim

ainda amo, acalento, espero, desejo...

transformo cada momento num ensejo






(por Úrsula Avner para o sitedepoesias.com.br)