sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Sou o reverso de mim mesma...


E quando você achar que me conhece, saiba bem que não sabe nem mesmo a vírgula que se esconde por de trás de tantos versos.
Eu sou e sempre serei o reverso de mim mesma , que se apresenta circundando por tantas ruas e avenidas.
Há detalhes de mais escritos entre as entrelinhas e o desviar do olhar...
Não, você não me conhece e nem sabe, as dores que trago de longe e as feridas escondidas sob a pele brilhante sem rugas.
O envelhecimento de uma alma muitas vezes é interno e se dá por motivos múltiplos que em prosas e em palavras torna-se impossível expressar.
Eu sou aquilo que sou em genética e em história, com os se nãos da memória trepudiando e saltando dentro, sem muito quererem se revelar.
Eles vem aos montes nas madrugadas e conversando comigo sem palavras mostram suas demandas.
Cabe então, só a quem sabe dar notas e pontos finais a tantas histórias mal acabadas.


(por Clarice Ferreira)

Nenhum comentário: