quarta-feira, 18 de novembro de 2015

"Eu cheguei onde cheguei pois tudo que eu planejei deu errado." - Rubem Alves


"Eu cheguei onde cheguei pois tudo que eu planejei deu errado..." - Rubem AlvesInstituto Rubem Alves_Oficial busca...
Posted by Fabio Leite on Segunda, 16 de novembro de 2015
Lei Rouanet: Lei municipal que concede certificado de utilidade pública ao Instituto Rubem Alves entrar em vigor. O título traz a possibilidade de expansão da entidade que funciona há três anos e trabalha a transformação social em Campinas. Como ele me faz falta... (Fonte do primeiro vídeo por Fabio Leite)

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

O amor é a minha religião...


Uma espiritualidade saudável não mata em nome de deus nenhum, pelo contrário, distribui amor...
Que todas as energias sejam unidas para salvar GAIA da falta de consciência dos humanos!

Yv Luna



"Me junto ao grito de dor da Grande Mãe Terra, que vê a cada dia cravarmos em suas entranhas a espada da ignorância, destruindo-a minuto a minuto. Me junto ao choque psicológico causado pela percepção de que a cada dia vivemos para destruir um ao outro, em troca da ganância, do orgulho fútil, e neste choque, perceber que agimos como crianças mimadas que cometem os erros esperando que os pais consertem...mas não percebemos que os deuses não vão consertar nossos erros, por mais que clamemos, pois não é culpa deles nós termos errado dessa forma... eles nos deram pernas para correr o mundo, braços para arar os campos e construir abrigos, olhos para ver a beleza natural das coisas, boca para dialogar entre nós e ter idéias para melhorar o mundo, e uma mente para pensar nas consequências de nossos atos.. mas ao invés disto, usamos nossas pernas para marchar por cima dos outros, nossos braços para construir armas que destruirão a tudo e a todos, usamos nossas bocas para difamar e espalhar mentiras, e esquecemos de ver o que é importante ser visto, e de pensar o que realmente deve ser pensado... só olhamos para nossos próprios umbigos e só pensamos em nós mesmos...e quando tragédias como a que ocorreram esta semana ocorrem, fazemos consternação seletiva, ficamos competindo para ver de quem é a dor maior, e nos esquecemos de que a dor maior é da própria Terra, que sofre calada por não sabermos usar as dádivas que os deuses nos deram para construir um mundo melhor...meu lamento vai para onde tudo deveria ir...pois todos estão no mesmo barco, e não é o momento de tentarmos avaliar de quem é a dor maior, pois nenhuma dor será maior do que a dela!"


(por Marcelo Willian)

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Honra aos Ancestrais


Muito reverenciada nas culturas orientais, a prática de honra aos ancestrais, infelizmente, ainda é pouco difundida no Ocidente. Devemos nosso bem amor – a oportunidade de encarnar na Terra para continuar nosso aprendizado – aos nossos ancestrais. Entre nós, poucos são os que conservam em suas casas um oratorio para honrar os seus. Muitos não o fazem porque não dispõem de espaço, de tempo para a prática, ou, até mesmo, por receio de que as visitas não entendam o que aquele “móvel ” está fazendo ali.

Como nossas relações são simbólicas, uma forma de ter nossa casa sempre protegida pelos que vieram antes de nós é colocando do lado de dentro da porta uma referência a ancestralidade. Neste contexto, os elefantes são muito bem-vindos, pois remetem a memória e ao enterro dos ossos dos de sua espécie.

Principalmente para as pessoas que não trazem o nome de uma das famílias de origem em seu nome, é importante honrar estes ancestrais. 

(...)

Como todos somos um, eu honro os ancestrais de cada pessoa que está lendo este artigo, pois eles a trouxeram até aqui. Bem como honro seus descendentes, pois perpetuarão seus passos sobre esta Terra.




(por Heloisa Esposito – Instituto Inanna do Conhecimento)

sábado, 31 de outubro de 2015

Feliz Beltane! (Roda do Sul)... Feliz Samhain! (Roda do Norte)...


"BRUXAS... é como chamam por aí...
As insubordinadas, divergentes, antenadas.
Sábias, ditas loucas... profundas, espiritualizadas.
As perigosas...
Mulheres que lutam...contra preconceitos, ignorância, machismo, opressão, violência, exploração.
Mulheres que amam, sem medo de parecerem impuras, se envolvem, se entregam, se rendem...verdadeiramente femininas...
Mulheres que cuidam, dos próprios filhos, dos filhos de todos, das chagas de muitos, das milenares e desprezadas tradições originais, da fé, da natureza, dos conhecimentos intuitivos, marca que jamais deveria ser apagada...
Mulheres que guardam...em si, o poder de gestar, de nutrir, de guiar...a vida!
Mulheres que preservam...as últimas chances do mundo sobreviver ao caos...os saberes simples das ervas, da compaixão, do respeito a toda Criação Divina.
Sim...as guardiãs de tudo que é digno e eterno... tão bem resolvidas.
Que despertam amor e ódio.
Mulheres que servem...e vivem a amparar umas às outras, totalmente descrentes da subcultura da competição.
Mulheres que estudam, leem, observam, questionam, argumentam, se impõem...
Mulheres que sofrem...por não se ajoelhar ante à repressão dos sistemas...
Mulheres fantásticas, surreais, feiticeiras, endiabradas, filhas do mal?
Não...mulheres como vocês e eu.
Foram perseguidas e queimadas e ainda são amordaçadas...eram mulheres...eram irmãs, são BRUXAS!
E devem meter muito medo...
E você?
As teme?
Ou é uma delas?"

(por Gi Stadnicki)




terça-feira, 27 de outubro de 2015

Exemplo de amor a Mãe Terra...



Esse homem de 67 anos transformou 30 hectares de deserto em terras cultiváveis:

Em 1974, Yacouba Sawadogo viu a seca assolar o Sahel, a zona ecoclimática e biogeográfica de transição entre o norte do deserto do Saara e o sul da savana sudanesa.

Desde então, o agricultor reviveu uma antiga técnica de cultivo que melhora a qualidade do solo, tornando terras desérticas em férteis.


Denominada ZAi, o método consiste em cavar buracos de uns 20 cm em que se deposita esterco e composto ao lado das sementes. Após as primeiras chuvas, o rendimento da terra chega a multiplicar-se por quatro.

Junto com as sementes de milho e sorgo, começaram a crescer árvores.


Em Quahigouya, Capital de Yatenga, no Norte de Burkina Fazo, Sawadogo criou em 20 anos um bosque de 20 hectares.

Enquanto as pessoas abandonavam suas casas e suas terras, ele seguia buscando melhorar a região e repovoar com árvores Gourga.


Na época, o consideraram louco, mas, 40 anos depois, ele já tornou as férteis e próprias para cultivo mais de 3 milhões de hectares de terras desérticas em 8 países do Sahel.

Montado em sua moto, também percorreu o país para ensinar a técnica para outros agricultores que ainda viviam por lá. Hoje, aos 67 anos, o consideram um herói.

“Se cortamos 10 árvores diariamente e não plantamos uma só em um ano, vamos caminhar direto para a destruição”, diz sabiamente Sawadogo.





(Fonte: Por Redação RPA | 27 de outubro de 2015 - https://razoesparaacreditar.com)


segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Daddy eternizado por linda Tattoo...




Não preciso nem dizer o quanto estou feliz em realizar o sonho de tatuar meu pai...
Ele está agora eternizado também nesse lindo trabalho feito por Leandro Costa:
(https://www.facebook.com/leandro.costa.792197?fref=ts)
Obrigada Leo ! Sabia que seria um excelente trabalho, foi uma honra, não escolheria outro profissional tão talentoso ! Sinta-se premiado por tantos elogios, você merece ! 

Bjs,

Yv Luna


***************************************************************

( Mérito das fotos, Leandro Costa - Ghost House Tattoo  - https://www.facebook.com/Ghost-House-Tattoo-1610417382580946/ )









sexta-feira, 23 de outubro de 2015

5ª Convenção de Tatuagem Rio 40°


Olá pessoas ! 

Estará acontecendo nesse fim de semana, a 5ª Convenção de Tatuagem Rio 40°. 
Estarei participando no Domingo e sendo tatuada por Leandro Costa, o mesmo profissional que fez minha tattoo dos corvos na Tattoo Week em janeiro desse ano. 
A tatuagem estará concorrendo ao prêmio na categoria Portrait, onde farei uma homenagem ao meu pai. Então, ninguém melhor do que o talentoso Leandro para tal arte. Confio e sei que será um lindo trabalho!
O evento acontece no Clube Vila da Feira, Rua Haddock Lobo, 195, Tijuca, a partir das 10h.
Aos amantes de Tattoo, fica a dica !

Posteriormente, estarei postando aqui o resultado desse trabalho, muito ansiosa e emocionada !
Abs a todos !

Yv Luna



sábado, 19 de setembro de 2015

CPM 22 Acústico !

Esse é meu DVD/CD de cabeceira...escuto acho que praticamente, todo dia, em casa, no carro, enfim..."os manos de SP" merecem todo mérito! Pois depois de 20 anos, estão sendo reconhecidos no Rock in Rio ! Estou muito feliz de vê-los nesse show especial, muito mais que merecido ! Uhuuu ! CPM ! UHUUU ! CPM !

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Sacerdotisas da alma...


"Vejo aparecer uma geração de sacerdotisas capazes de entender novamente a linguagem da alma..."

(Carl Jung)

terça-feira, 30 de junho de 2015

Setenios


A cada sete anos mudamos de ciclo. A cada época temos tons diferentes, e no final da vida tudo se compõe como parte de uma grande sinfonia. Cada passagem é marcada por acontecimentos que levam a vida para uma direção diferente, externas ou internas. Mudanças na percepção em relação ao mundo. Entenda agora os desafios que cada ciclo nos propõe, com o objetivo de nos tornar mais sábios.

0 aos 7 anos: A criança chega ao mundo e é moldada pelas referências dadas pela família. O desafio é crescer e ser bem formada física e emocionalmente. Essa fase é regida pela Lua que se relaciona com o crescimento e o ritmo da rotina, muito importante para as crianças nessa fase de vida.

7 aos 14 anos: A influência vem da família e da escola e o jovem começa a se colocar no mundo. O desafio é fazer vínculos. Regido por Mercúrio, o planeta da comunicação, é a fase de muito movimento e intensas transformações físicas e emocionais.

14 aos 21 anos: O desafio é buscar a verdade e abrir-se para o amor romântico e fraterno. Torna-se importante buscar os seus interesses individuais distintos do grupo de amigos e da família. A fase é regida por Vênus, planeta da paixão e dos relacionamentos.

21 aos 28 anos: É a fase em que começamos a lutar pelo que queremos. Experimentamos um vasto leque de sensações e os limites físicos e emocionais. Regida pelo Sol, essa fase nos projeta para o mundo por meio do trabalho, casamento e outras realizações.

28 aos 35 anos: O desafio aqui é estruturar a vida (construir família, carreira) e colocar regras para si mesmo. Regida pelo Sol, dá sequência a fase de projeção e realizações.

35 aos 42 anos: Essa é a chamada meia idade. O desafio é responder: “qual o sentido da minha vida?”. Regida pelo Sol, nos devolve a às sensações de indefinição vividas aos 21 anos.

42 aos 49 anos: O desafio é priorizar e fazer escolhas baseadas naquilo que realmente se quer. É o momento de ir para o mundo como um guerreiro experiente, levando na bagagem apenas o que é realmente importante. A fase é regida pelo planeta Marte, dos impulsos de conquista e concretização.

49 aos 56 anos: Delegar tarefas, ter serenidade e transmitir tudo que aprendeu é o desafio dessa fase. É regida pelo planeta Júpiter, ligado a sabedoria.

56 aos 63 anos: É a época de aprofundar o autoconhecimento e a beleza interior, aceitando que os órgãos dos sentidos (nossas antenas) começam a se recolher. Por exemplo: é um período que já se fala menos e com mais precisão. Regido por Saturno, o deus do tempo, esse ciclo guarda questões relacionadas à aceitação do envelhecimento e da morte.

A partir dos 63 anos: Com a bagagem de vida e o autoconhecimento adquiridos, o desafio agora é estar mais livre e disponível para ajudar os outros e aprimorar a espiritualidade. Esse ciclo não é regido por nenhum planeta.


(por Luiz Yube para "Da Magia à Sedução")

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Luar na Lubre - Tu Gitana



Cigana que adivinha
Me diga pois eu não sei
Se sairei dessa aventura,
Ou se nela morrerei
 Ou se nela perco a vida
Ou se nela triunfarei
Cigana que adivinha,
Me diga pois eu não sei

terça-feira, 23 de junho de 2015

7 Anos de Metamorfose !


Querido Blog,

Para o registro do nosso 7º aniversário, separei especialmente para esse dia, um trecho muito significativo de um livro que li, e que representa bem toda minha caminhada espiritual, além do crescimento que venho tendo junto a ti, nesse processo eterno de cura da mente e corpo, diz o seguinte:

"A conquista da espiritualidade é um trabalho incessante, é o reconhecimento do próprio potencial, o esforço paciente de se ver sem máscaras ou subterfúgios, aceitando tanto as qualidades como os pontos fracos, sem culpas ou reprimendas, procurando vencê-los com bondade e firmeza.
É fazer o possível para essa conquista, mas aceitando todas as determinações da vida que não pode mudar, procurando tirar delas todo bem que conseguir perceber. A confiança na vida é fundamental para quem deseja cuidar do seu mundo íntimo e harmonizar-se com as forças positivas do universo"

(Livro: Quando é Preciso Voltar - Zibia Gasparetto)

quinta-feira, 12 de março de 2015

sexta-feira, 6 de março de 2015

A mais sábia dos sábios...


"Eu sou a mais velha das velhas, 
a mais sábia dos sábios, o poder por trás da energia. 
Eu sou Hecate, Cerridwen, Kali, Caillech, Cybele, Morrigan...

Eu sou a Velha Bruxa de muitos nomes. 
Eu sou a luz no escuro e a escuridão da Lua.

Eu sou a pessoa por trás do véu,
o limite para ser atravessado. 
Eu sou a negociante da morte, 
doadora do renascimento.

Eu sou o maior dos Professores,
com a mais profunda das lições . 
Eu sou Transição e Conexão, a aranha na teia.

Eu sou o crepúsculo, a meia-noite, 
e o escuro antes do amanhecer.

Eu sou rendição quando você precisa deixar ir. 
Eu sou o vento frio no outono, o sussurro do Inverno. 
Eu sou as três faces no centro do Cruzamento.

Eu sou o que tudo vê... 
a Coruja, o Sapo sob a lama, o Abutre, 
o Corvo e o Lobo devorador de carne.

Eu sou a Destruidora, e a protetora também. 
Eu sou a única para levá-la através da escuridão, 
através do Fogo, em um novo dia.

Eu sou a mais velha das velhas, 
a mais sábia dos sábios, o poder por trás da energia..."


(por Leila Mariana - Orgulho de ser Pagão)

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Mais uma tattoo especial, os corvos de Odin...



Esses são Huginn e Muninn, os dois corvos de Odin...Trabalho lindo do Tatuador Leandro Costa (https://www.facebook.com/leandro.costa.792197?fref=ts) realizado na Tattoo Week RJ (https://www.facebook.com/TattooWeekRio?fref=ts), evento que aconteceu entre os dias 16 a 18 de janeiro desse ano...

Resumindo bem rápido essa mitologia nórdica, Odin é o deus da poesia, sabedoria, da guerra e da morte. 
Ele ficou pendurado por nove dias, perfurado por sua própria lança, em Yggdrasil, a árvore do mundo.
Então ele aprendeu nove canções poderosas e dezoito runas.
Ele sacrificou um olho por uma única bebida do poço da sabedoria. 
Seu salão em Asgard é Valaskjalf ("prateleira dos mortos"), onde seu trono Hlidskjalf está localizado.
A partir deste trono, ele observa tudo o que acontece nos nove mundos.
As notícias são apresentadas a ele por seus dois corvos, Huginn e Muninn ("pensamento" e "memória"), que ao voltarem pousam no ombro de Odin e reportam a ele tudo o que viram durante todo o dia em sua viagem. 

Segundo alguns estudiosos, Odin era adepto da prática xamânica. Segundo essa teoria, Odin entrava em uma espécie de transe e enviava seu pensamento (Huginn - from Old Norse "thought") e mente (Muninn - Old Norse "memory" or "mind") até o local desejado, e lá, sua presença tomava a forma de dois corvos. Odin ainda teria dado aos seus dois corvos a capacidade de falar...Assim, Odin é informado de muitos eventos. É a partir desta associação que Odin é conhecido como "deus-corvo".



quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Coisas de vó que nunca esquecemos...


"A minha avó dizia-me que quando uma mulher se sentisse triste, o melhor que podia fazer era entrançar o seu cabelo; de modo que a dor ficasse presa no cabelo e não pudesse atingir o resto do corpo. Havia de ter cuidado para que a tristeza não entrasse nos olhos, porque iria fazer com que chorassem. Também não era bom deixar entrar a tristeza nos nossos lábios porque iria forçá-los a dizer coisas que não eram verdadeiras. Que também não se metesse nas mãos porque se pode deixar tostar demais o café ou queimar a massa. Porque a tristeza gosta do sabor amargo.

Quando te sentires triste menina- dizia a minha avó- entrança o cabelo, prende a dor na madeixa e deixa escapar o cabelo solto quando o vento do norte sopre com força. O nosso cabelo é uma rede capaz de apanhar tudo, é forte como as raízes do cipreste e suave como a espuma do atole.

Que não te apanhe desprevenida a melancolia minha neta, ainda que tenhas o coração despedaçado ou os ossos frios com alguma ausência. Não deixes que a tristeza entre em ti com o teu cabelo solto, porque ela irá fluir em cascata através dos canais que a Lua traçou no teu corpo. Trança a tua tristeza, dizia. Trança sempre a tua tristeza.

E na manhã ao acordar com o canto do pássaro, ela encontrará a tristeza pálida e desvanecida entre o trançar dos teus cabelos…"




FONTE: (Registro da antropóloga Paola Klug, Fotografia tirada na Nicarágua por Candelaria Rivera, do ensaio fotográfico: "Amor de Campo")

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

"Sementinhas adormecidas voltaram a brotar..."


Antigamente lavávamos nossas roupas nos rios conversando com outras mulheres. Quando entrávamos na lua, entrávamos todas juntas e sentávamos na terra, doando nosso sangue sagrado e tecendo sonhos com outras mulheres. Quando tínhamos um filho no útero, ganhávamos a companhia constante de outras mulheres, compartilhando toda a arte de gerar e de dar a luz. Tecíamos, bordávamos, plantávamos, cantávamos sempre juntas. 
Criávamos nossos filhos juntas. Entendíamos de ervas e compartilhávamos os segredos das medicinas da terra. Quando perdemos esses hábitos nos isolamos e perdemos essa dose maravilhosa de ocitocina (hormônio do amor, fabricado também durante o parto) que fabricamos quando estamos entre mulheres. Começamos a achar normal toda essa individualidade. 
Começaram a nos rotular de fúteis, que gostamos de comprar, de cuidar da aparência, que falamos demais, que só falamos de homens. Esquecemos a arte de parir. Começamos a achar normal cortarem nossos úteros para dar a luz. Achamos normal também não devolver nosso sangue lunar pra terra a cada 28 dias, e usar absorventes descartáveis pra poluir nossa Mãe Terra. 
E como nos desconectamos da lua e da terra, e do nosso ciclo lunar começamos a achar normal tomar pilulas bombas de hormônio, porque não conhecíamos mais nosso corpo pra saber quando estávamos férteis. E ai trocamos as sagradas medicinas da Mãe Terra, por medicinas controladoras do nosso corpo. 


Mas algo estava gritando dentro de todas nós. Algo estava faltando. E por isso no mundo todo essas sementinhas adormecidas voltaram a brotar. Mulheres e mais mulheres voltaram a olhar pro céu, por a mão na terra, sentir e honrar seu sangue, querer parir em paz. Mulheres voltaram a querer estar com mulheres. Em volta do fogo. E em volta de seus próprios corações. E círculos de mulheres voltaram a acontecer no mundo todo...

por Anna Sazanoff (Xamanismo para mulheres)

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Mulheres que curam...


Ao me deparar com esse texto lembrei com carinho de minhas avós e bisavós e suas muitas histórias, resolvi postar para deixar registrado...

Yv Luna
*************
Mulheres curadoras
por Mani Alvarez

Erveiras, raizeiras, benzedeiras, mulheres sábias que por muito tempo andaram sumidas, ou até mesmo escondidas. Hoje retornam com um diploma de pós-graduação nas mãos e um sorriso maroto nos lábios. Seu saber mudou de nome. Chamam de terapia alternativa, medicina vibracional, fitoterapia, práticas complementares…são reconhecidas e respeitadas, tem seus consultórios e fazem palestras.

As mulheres curadoras fazem parte de um antigo arquétipo da humanidade. Em todas as lendas e mitos, quando há alguém doente ou com dores, sempre aparece uma mulher idosa para oferecer um chazinho, fazer uma compressa, dar um conselho sábio. Na verdade, a mulher idosa é um arquétipo da ‘curadora’, também chamada nos mitos de Grande Mãe.


Não tem nada a ver com a idade cronológica, porque esse é um arquétipo comum a todas as mulheres que sentem o chamado para a criatividade, que se interessam por novos conhecimentos e estão sempre a procura de mais crescimento interno. Sua sabedoria é saber que somos “obras em andamento’, apesar do cansaço, dos tombos, das perdas que sofremos… a alma dessas mulheres é mais velha que o tempo, e seu espírito é eternamente jovem.

Talvez seja por isso que, como disse Clarissa Pinkola, toda mulher parece com uma árvore. Nas camadas mais profundas de sua alma ela abriga raízes vitais que puxam a energia das profundezas para cima, para nutrir suas folhas, flores e frutos. Ninguém compreende de onde uma mulher retira tanta força, tanta esperança, tanta vida. Mesmo quando são cortadas, tolhidas, retalhadas, de suas raízes ainda nascem brotos que vão trazer tudo de volta à vida outra vez.


Por isso entendem as mulheres de plantas que curam, dos ciclos da lua, das estações que vão e vem ao longo da roda do sol pelo céu. Elas tem um pacto com essa fonte sábia e misteriosa que é a natureza,. Prova disso é que sempre se encontra mulheres nos bancos das salas de aula, prontas para aprender, para recomeçar, para ampliar sua visão interior. Elas não param de voltar a crescer…

Nunca escrevem tratados sobre o que sabem, mas como sabem coisas! Hoje os cientistas descobrem o que nossas avós já diziam: as plantas têm consciência! Elas são capazes de entender e corresponder ao ambiente à sua volta. Converse com o “dente-de-leão” para ver… comunique-se com as plantas de seu jardim, com seus vasos, com suas ervas e raízes, o segredo é sempre o amor.


Minha mãe dizia que as árvores são passagens para os mundos místicos, e que suas raízes são como antenas que dão acesso aos mundos subterrâneos. Por isso ela mantinha em nossa casa algumas árvores que tinham tratamento especial. Uma delas era chamada de “árvore protetora da família”, e era vista como fonte de cura, de força e energia. Qualquer problema, corríamos para abraçá-la e pedir proteção.

O arquétipo de ‘curadora’ faz parte da essência do feminino, mesmo que seja vivenciado por um homem. Isso está aquém dos rótulos e definições de gênero. Faz parte de conhecimentos ancestrais que foram conservados em nosso inconsciente coletivo.

Perdemos a capacidade de olhar o mundo com encantamento, mas podemos reaprender isso prestando atenção nas lendas e nos mitos que ainda falam de realidades invisíveis que nos rodeiam. Um exemplo? Procure saber mais sobre os seres elementais que povoam os nossos jardins e as fontes de águas… fadas, gnomos, elfos, sílfides, ondinas, salamandras…

As “curadoras’ afirmam que podemos atrair seres encantados para nossos jardins! Como? Plantando flores e plantas que atraiam abelhas e borboletas, gaiolas abertas para passarinhos e bebedouros para beija-flores.

Algumas plantas ‘convidam’ lindas borboletas para seu jardim, como milefólio, lavanda, hortelã silvestre, alecrim, tomilho, verbena, petúnia e outras. Deixe em seu jardim uma área levemente selvagem, sem grama, os seres elementais gostam disso. Convide fadas e elfos para viverem lá.

(Este artigo foi publicado pelo Jornal 100% Vida de maio/2012, por Mani Alvarez)

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Tão Simples...


Admiro pessoas simples de coração...
Fortes, mas não arrogantes...
Sinceras, mas não ofensivas...
Que respeitam e sabem ouvir...
Corajosas, porque assumem seus próprios fracassos e erros...
Que cativam uma pessoa de forma pura...
Que sorriem mesmo quando o coração está chorando...
Que olhem o próximo como igual, nem melhor, nem pior...
Que nada promentem, simplesmente vão lá e fazem !
E você pode ter certeza que desse tipo de gente não é necessário exigir muito...elas se doam sem pedir nada em troca...

São essas as pessoas que estão até hoje na minha vida nas quais jamais abro mão...simples assim!

Yv Luna.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Campos do Jordão...


Nesse último Ano Novo resolvi viajar para Campos do Jordão, para fugir do barulho, da bagunça e principalmente do calor. 
Precisava de um lugar assim para descansar e refletir sobre importantes decisões que tinha que tomar. Então esperando obter tais respostas da Natureza e dos Deuses, recebi grandes "presentes". Um deles foi a imagem que ficou mais marcante nesse lugar ( entre outras coisas lindas ), um lago perto da pousada onde fiquei, repleto de flor de lótus...
Toda manhã, passava por aquele lago e trazia comigo uma sensação inexplicável e maravilhosa que perpetuava durante todo o dia. Recebi minha resposta afinal. Uma mensagem de superação e de grande expansão espiritual...Ali vivi dias incríveis e momentos mágicos, incomuns, situações reveladoras...
Símbolo de iluminação insuperável, a flor de lótus, trouxe-me a experiência divina e única do renascer, de que nada é impossível, porque justamente ela (a flor), mesmo parecendo tão frágil e delicada, consegue reerguer do mais profundo lodo ao mais elevado, da escuridão à luz, cresce além desse mundo e o ultrapassa...enfim, daquelos momentos espirituais que vão deixar saudades e marcas profundas de aprendizado...espero voltar em breve. Isso para mim é a verdade sensibilidade da magia.

Yv Luna.




sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Livro: Psicologia e Espiritualidade


Esse é o novo "filhote" que estou lendo no momento. Esse tema sempre me atraiu, amo esse tipo de leitura. Vejo futuro nas pessoas que tem a mente aberta sobre esse assunto. A quem aprecia, recomendo o livro "Psicologia e Espiritualidade", Mauro Martins Amatuzzi (org.). De uma junção de várias discussões de Seminários acontecidos na PUC- Campinas, USP e Universidade Federal de Minas Gerais gerou-se alguns livros, inclusive esse.

Estou adorando essa leitura porque para mim a presença do sagrado no cotidiano das sociedades é inegável. Independentemente da crença individual, além dessas diversas crenças sempre serem objeto de pesquisas em vários campos da ciência. Definitivamente, não consigo separar Teologia de Psicologia...(sou suspeita rsrsrs). E também porque questões envolvendo a religiosidade se fazem presentes na clínica psicológica, seja em consultórios particulares ou em atendimentos institucionais (como os que acontecem em centros de saúde e clínicas-escola). 

Sempre escuto, leio e observo a presença da religiosidade nos atendimentos clínicos que está, muitas vezes, estreitamente vinculada ao problema psicológico que é trazido para a psicoterapia. Sejam casos de interpretação espiritual ou religiosa para problemas de percepção ou de comportamento (como, por exemplo, influência de demônios ou outros espíritos nas atividades cotidianas), ou mesmo de esclarecimentos religiosos para problemas psicológicos (como, por exemplo, culpabilidade, principalmente no campo da sexualidade, alimentada por doutrinas religiosas ou diretamente por líderes religiosos).

Enfim, vejo e reconheço a importância da compreensão psicológica dentro do assunto `religiosidade` para a atuação clínica.

Yv Luna

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Muito eu...


"Vivo a tranquilidade de ser quem sou. 
Me dou muito bem com meus atributos e imperfeições. 
Nunca fiz força pra ser interessante e agradar ninguém. 
E nesse mundo do `teatro`, eu prefiro ser platéia."


(por Thalita Souza)

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Same Mistake - James Blunt

Porque "cometerá o mesmo erro outra vez..." Porque "não acredito mais em promessas, as pessoas nunca as cumprem..." Same Mistake again and again and again... Que nossos íntimos continuem os mesmos, juntos mesmo separados...até a próxima vida ! Be Nice ! Goodbye!

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Minha depedida pra vc...definitiva...mas o BLOG continua...

Essa é a minha postagem de despedida pra vc...não tem como continuar daqui pra frente...senão...sozinha...através do blog, essa será minha última comunicação com vc através dessas palavras e dessa música, não tem volta...obrigada por tudo, seja feliz...descanse...! O BLOG continua, vc não...então, daqui pra frente, se cuida...!
YV LUNA




Quando eu te vejo
Espero teu beijo
Não sinto vergonha
Apenas desejo

Minha boca encosta
Em tua boca que treme
Meus olhos eu fecho
Mas os teus estão abertos

Tudo bem se não deu certo
Eu achei que nós chegamos tão perto
Mas agora com certeza eu enxergo
Que no fim eu amei por nós dois

Esse foi um beijo de despedida
Que se dá uma vez só na vida
Explica tudo sem brigas
E clareia o mais escuro dos dias

Tudo bem se não deu certo
Eu achei que nós chegamos tão perto
Mas agora com certeza eu enxergo
Que no fim eu amei por nós dois

Mas você lembra
Você vai lembrar de mim
Que o nosso amor valeu a pena
Lembra é o nosso final feliz
Você vai lembrar
Vai lembrar...sim
Você vai lembrar de mim

Esse foi um beijo de despedida
Que se dá uma vez só na vida
Que explica tudo sem brigas
E clareia o mais escuro dos dias

Tudo bem se não deu certo
Eu achei que nós chegamos tão perto
Mas agora com certeza eu enxergo
Que no fim eu amei por nós dois

Mas você lembra!
Você vai lembrar de mim
Que o nosso amor valeu a pena
Lembra é o nosso final feliz
Você vai lembrar
Vai lembrar...sim
Você vai lembrar de mim